ACOMPANHE ESSE BLOG DE PERTO!

29 de out de 2011

Como o bebê enxerga quando nasce?


Como é a nitidez, o contraste e a percepção de cores do bebê quando nasce? Esta é uma curiosidade que já motivou muitas pesquisas. Cientistas em todo o mundo estudam para responder a esta pergunta.

Sabemos que o bebê ainda não está com o sistema visual completamente formado ao nascer. Este sistema amadurece gradativamente, tanto no que diz respeito ao tamanho do olho, quanto no que se refere às conexões junto ao sistema nervoso central.

Mesmo se o bebê nasce depois dos nove meses de gestação completos e, portanto, não é prematuro, sua visão é desfocada e as cores não são bem percebidas. No caso dos prematuros, a visão merece cuidados e acompanhamento especial por parte dos oftalmologistas já no período em que o bebê permanece na estufa, pois há riscos de ele desenvolver problemas oculares como a retinopatia da prematuridade. Nestes casos, o acompanhamento oftalmológico é fundamental para proporcionar uma melhor qualidade visual e até evitar a perda total da visão.

O primeiro ano de vida é uma experiência incrível no mundo visual do bebê. A cada novo mês de vida a visão torna-se mais nítida. É também neste período que possíveis problemas congênitos podem ser detectados.

É por este motivo que os oftalmopediatras se dedicam tanto para esclarecer pais, pediatras, neonatologistas e todos que participam do desenvolvimento da criança, quanto à importância da consulta oftalmológica já nos primeiros meses de vida. É importante se levar em conta que quanto antes o problema for detectado e esclarecido, mais fácil o tratamento e mais rápida a solução.
FONTE: http://www.oftalmopediatria.com.br/texto.php?ct=1&ano=

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Muitas mudanças ocorreram nos últimos vinte anos, quando teve início a prática da Baixa Visão em nosso país. O oftalmologista brasileiro, porém, ainda não se conscientizou da responsabilidade que lhe cabe ao determinar se o paciente deve ou não receber um tratamento específico nessa área. Infelizmente, a grande maioria dos pacientes atendidos e tratados permanece sem orientação, convivendo, por muitos anos com uma condição de cegueira desnecessária." (VEITZMAN, 2000, p.3)

.
.

NÃO ESQUEÇA!....

NÃO ESQUEÇA!....

FONTES PARA PESQUISA

  • A VIDA DO BEBÊ - DR. RINALDO DE LAMARE
  • COLEÇÃO DE MANUAIS BÁSICOS CBO - CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA
  • DIDÁTICA: UMA HISTÓRIA REFLEXIVA -PROFª ANGÉLICA RUSSO
  • EDUCAÇÃO INFANTIL: Estratégias o Orientação Pedagógica para Educação de Crianças com Necessidades Educativas Visuais - MARILDA M. G. BRUNO
  • REVISTA BENJAMIN CONSTANT - INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT