ACOMPANHE ESSE BLOG DE PERTO!

14 de mai de 2009

Sintomas e sinais mais comuns de alterações visuais


Sintomas:
- Tonturas, náuseas e dor de cabeça;
- Sensibilidade excessiva à luz (fotofobia);
- Visão dupla e embaçada;
Condutas do aluno:
- Aperta e esfrega os olhos;
- Irritação, olhos avermelhados e/ou lacrimejantes;
- Pálpebras com as bordas avermelhadas ou inchadas;
- Purgações e terçóis;
- Estrabismo;
- Nistagmo (olhos em constante oscilação);
- Pisca excessivamente;
- Crosta na área de implante dos cílios;
- Franzimento da testa ou piscar contínuo para fixar perto ou longe;
- Dificuldade para seguimento de objeto;
- Cautela excessiva ao andar;
- Tropeço e queda freqüentes;
- Desatenção e falta de interesse;
- Inquietação e irritabilidade;
- Dificuldade para leitura e escrita;
- Aproximação excessiva do objeto que está sendo visto;
- Postura inadequada;
- Fadiga ao esforço visual.

FONTE: MEC. Programa de Capacitação de Recursos Humanos do Ensino Fundamental: deficiência visual vol. 1 fascículos I – II – III / Marilda Moraes Garcia Bruno, Maria Glória Batista da Mota, colaboração: Instituto Benjamin Constant. _______Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2001.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Muitas mudanças ocorreram nos últimos vinte anos, quando teve início a prática da Baixa Visão em nosso país. O oftalmologista brasileiro, porém, ainda não se conscientizou da responsabilidade que lhe cabe ao determinar se o paciente deve ou não receber um tratamento específico nessa área. Infelizmente, a grande maioria dos pacientes atendidos e tratados permanece sem orientação, convivendo, por muitos anos com uma condição de cegueira desnecessária." (VEITZMAN, 2000, p.3)

.
.

NÃO ESQUEÇA!....

NÃO ESQUEÇA!....

FONTES PARA PESQUISA

  • A VIDA DO BEBÊ - DR. RINALDO DE LAMARE
  • COLEÇÃO DE MANUAIS BÁSICOS CBO - CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA
  • DIDÁTICA: UMA HISTÓRIA REFLEXIVA -PROFª ANGÉLICA RUSSO
  • EDUCAÇÃO INFANTIL: Estratégias o Orientação Pedagógica para Educação de Crianças com Necessidades Educativas Visuais - MARILDA M. G. BRUNO
  • REVISTA BENJAMIN CONSTANT - INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT