ACOMPANHE ESSE BLOG DE PERTO!

27 de mar de 2010

USO DAS ATIVIDADES DE ACOMODAÇÃO

.

Existem dois tipos de atividades de acomodação: atividades com traçados ou atividades com pontinhos.
As atividades de acomodação são indicadas para crianças que já possuem uma capacidade visual para leitura e escrita. Mesmo que a criança já esteja alfabetizada e ou crianças já em séries mais avançadas.
Esta atividade também é muito útil com crianças portadoras de miopia (principalmente patológica), alta hipermetropia, déficits corticais, retinopatia da prematuridade, ambliopia, glaucoma, patologias da mácula, estrabismos, entre outras. O que varia, na aplicação deste trabalho, será a distância e a quantidade nas tarefas com pontinhos, na distância e largura nas tarefas com traçados, e principalmente o tamanho.
A grande vantagem é que ela pode ser realizada por etapas. Por exemplo: um dia para fazer pontinhos ou traçados; o outro só para pintar e assim por diante.
É uma atividade um tanto cansativa, por esse motivo deve ser o menor tamanho possível (dependendo do grau de necessidade), entretanto, deve-se pedir para que a criança realize a atividade sem pressa e com atenção, procurando alinhar corretamente os pontinhos ou os traçados corretamente.
Particularmente, utilizo esta atividade quando é preciso ter uma ganho maior na funcionalidade visual, especialmente se houve alguma perda, ou por falta de continuidade dos atendimentos ou por necessidade de acelerar o processo de acomodação.

Obs: O conteúdo exposto é baseado em experiências adquiridas em meus atendimentos as crianças com portadoras de baixa visão e relatos dos resultados positivos de amigos e colegas portadores de alguma dificuldade visual que experienciaram tal atividade.

Espero que gostem!!!
Um grande abraço a todos!
.
.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Muitas mudanças ocorreram nos últimos vinte anos, quando teve início a prática da Baixa Visão em nosso país. O oftalmologista brasileiro, porém, ainda não se conscientizou da responsabilidade que lhe cabe ao determinar se o paciente deve ou não receber um tratamento específico nessa área. Infelizmente, a grande maioria dos pacientes atendidos e tratados permanece sem orientação, convivendo, por muitos anos com uma condição de cegueira desnecessária." (VEITZMAN, 2000, p.3)

.
.

NÃO ESQUEÇA!....

NÃO ESQUEÇA!....

FONTES PARA PESQUISA

  • A VIDA DO BEBÊ - DR. RINALDO DE LAMARE
  • COLEÇÃO DE MANUAIS BÁSICOS CBO - CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA
  • DIDÁTICA: UMA HISTÓRIA REFLEXIVA -PROFª ANGÉLICA RUSSO
  • EDUCAÇÃO INFANTIL: Estratégias o Orientação Pedagógica para Educação de Crianças com Necessidades Educativas Visuais - MARILDA M. G. BRUNO
  • REVISTA BENJAMIN CONSTANT - INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT