ACOMPANHE ESSE BLOG DE PERTO!

29 de out de 2011

A visão nos primeiros meses de vida

É interessante conhecer o desenvolvimento da visão das crianças para entender por que elas gostam tanto de cores vivas. Brinquedos, roupas e objetos com cores contrastantes estimulam a curiosidade visual do bebê e interferem em todo seu desenvolvimento.

As figuras abaixo são uma representação aproximada de como pode ser a visão do bebê nas diferentes fases dos primeiros meses de vida.


Um mês de vida
A visão é borrada como no nascimento, porém o contraste é melhor.



Dois meses de vida
O progresso é maior, mas a visão ainda é desfocada e as cores e contrastes ainda não são bem percebidos.



Três meses de vida
Existe um sensível progresso na percepção das cores, contraste e nitidez. As imagens já não são tão desfocadas.



Seis meses de vida
A criança já tem uma visão bem próxima à visão do adulto. O estímulo visual já é maior e o interesse por cores vivas e contrastantes cada vez maior.




Visão do adulto



FONTE:  http://www.oftalmopediatria.com.br/texto.php?ct=2&ano=

Como o bebê enxerga quando nasce?


Como é a nitidez, o contraste e a percepção de cores do bebê quando nasce? Esta é uma curiosidade que já motivou muitas pesquisas. Cientistas em todo o mundo estudam para responder a esta pergunta.

Sabemos que o bebê ainda não está com o sistema visual completamente formado ao nascer. Este sistema amadurece gradativamente, tanto no que diz respeito ao tamanho do olho, quanto no que se refere às conexões junto ao sistema nervoso central.

Mesmo se o bebê nasce depois dos nove meses de gestação completos e, portanto, não é prematuro, sua visão é desfocada e as cores não são bem percebidas. No caso dos prematuros, a visão merece cuidados e acompanhamento especial por parte dos oftalmologistas já no período em que o bebê permanece na estufa, pois há riscos de ele desenvolver problemas oculares como a retinopatia da prematuridade. Nestes casos, o acompanhamento oftalmológico é fundamental para proporcionar uma melhor qualidade visual e até evitar a perda total da visão.

O primeiro ano de vida é uma experiência incrível no mundo visual do bebê. A cada novo mês de vida a visão torna-se mais nítida. É também neste período que possíveis problemas congênitos podem ser detectados.

É por este motivo que os oftalmopediatras se dedicam tanto para esclarecer pais, pediatras, neonatologistas e todos que participam do desenvolvimento da criança, quanto à importância da consulta oftalmológica já nos primeiros meses de vida. É importante se levar em conta que quanto antes o problema for detectado e esclarecido, mais fácil o tratamento e mais rápida a solução.
FONTE: http://www.oftalmopediatria.com.br/texto.php?ct=1&ano=

Maturação visual sensório-motora


O olho é um órgão que está intimamente ligado ao cérebro. A visão é um fenômeno complexo que necessita dos dois olhos íntegros e todas as vias ópticas e cerebrais saudáveis para que se possa enxergar e interpretar o que se está enxergando.




A maturação do sistema visual continua ocorrendo até o oitavo ou décimo ano de vida aproximadamente, sendo que os cinco primeiros anos são os mais importantes. Estas informações são esquemáticas. A avaliação do desenvolvimento da visão da criança em relação à idade é competência de um profissional da área. Só o médico oftalmologista tem conhecimento e vivência para julgar se a criança está apresentando ou não uma visão sensório-motora adequada.

Abaixo, algumas características da maturação visual em diferentes fases de vida do bebê:


Durante a gestação (30 a 40 semanas)
-reação pupilar à luz presente
-fechamento das pálpebras como resposta à luz forte
-sistema vestibular (VII Nervo Craniano/Equilíbrio) bem desenvolvido
-desenvolvimento total e pleno funcionamento de todas as partes, exceto mácula e dilatador da pupila.

Logo após o nascimento
-fixação visual presente
-manutenção dos olhos em posição horizontal
-paralelismo dos eixos visuais quando acordado
-olhar conjugado horizontal, não vertical
-orientação do olhar lateral para a luz
-movimentos sacádicos
-movimentos de cabeça de boneca
-nistagmo optocinético que ocorre em indivíduos normais quando uma série sucessiva de objetos móveis atravessam o campo visual
-abertura espontânea

2 a 4 semanas
-reação pupilar à luz bem desenvolvida
-alinhamento ocular estável
-movimentos conjugados estáveis
-início da elevação do globo ocular
-distinção de um objeto móvel

2 meses
-pestanejamento em resposta à ameaça visual
-fixação bem desenvolvida
-olhar vertical conjugado bem desenvolvido

3 meses
-sistema vergencial presente
-sistema de perseguição lenta bem desenvolvido
-movimentos binoculares estáveis
-sinergia convergência-miose (contração da pupila)
-discriminação cromática (cor)

4 meses
-acomodação bem desenvolvida
-diferenciação completa da Fóvea (depressão na retina central à mácula)
-visão binocular presente
-coordenação práxica olho-mão

6 meses
-acuidade visual
-sistema vergencial bem desenvolvido
-binocularidade bem desenvolvida
-pigmentação da íris bem desenvolvida
-preensão bimanual e convergência
-associações óticas, tácteis, auditivas e gustativas

12 meses
-coordenação motora e atenção visual
-visão de forma e distância
-discriminação de objetos
-sinergia acomodação-convergência
-diâmetro do globo ocular 95% do adulto (70% ao nascimento)
-fase de grande plasticidade do sistema visual

2 anos
-consegue superpor vários cubos
-imita traços
-completa mielinização do nervo óptico
-acuidade visual – olhar preferencial – nível adulto
-coordenação olho-mão bem desenvolvida

FONTE: http://www.oftalmopediatria.com.br/texto.php?ct=3&ano=
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Muitas mudanças ocorreram nos últimos vinte anos, quando teve início a prática da Baixa Visão em nosso país. O oftalmologista brasileiro, porém, ainda não se conscientizou da responsabilidade que lhe cabe ao determinar se o paciente deve ou não receber um tratamento específico nessa área. Infelizmente, a grande maioria dos pacientes atendidos e tratados permanece sem orientação, convivendo, por muitos anos com uma condição de cegueira desnecessária." (VEITZMAN, 2000, p.3)

.
.

NÃO ESQUEÇA!....

NÃO ESQUEÇA!....

FONTES PARA PESQUISA

  • A VIDA DO BEBÊ - DR. RINALDO DE LAMARE
  • COLEÇÃO DE MANUAIS BÁSICOS CBO - CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA
  • DIDÁTICA: UMA HISTÓRIA REFLEXIVA -PROFª ANGÉLICA RUSSO
  • EDUCAÇÃO INFANTIL: Estratégias o Orientação Pedagógica para Educação de Crianças com Necessidades Educativas Visuais - MARILDA M. G. BRUNO
  • REVISTA BENJAMIN CONSTANT - INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT