ACOMPANHE ESSE BLOG DE PERTO!

29 de jun de 2011

ATIVIDADES DE JARDINAGEM ADAPTADA PARA CRIANÇAS COM DÉFICITS VISUAIS

.

Eu tenho recebido muitos emails solicitando sugestões de atividades a serem realizadas com crianças deficientes visuais. Entre estas, o tema mais abordado tem sido a jardinagem.
A atividade em questão pode ser aplicada com crianças e adultos, tanto como conteúdo de sala de aula como atividade complementar e deve ser realizada por etapas, respeitanto tanto a necessidade individuação com realação a adaptações necessárias, como:
- uso de fundo preto (você pode colocar uma cartolina preta para forrar a mesa);
- uso de luminária;
- uso de pinceis mais largos e maleáveis;
- uso de tintas com cores bem chamativas e contrastantes;
- uso de fita crepe;
- uso de vasos para jardinagem... podem ser vasos de barros ou plásticos coloridos;


O primeiro passo é definir as etapas de aplicação, sejam estas:

1. Montagem do kit básico do pequeno jardineiro: convide a criança para participar desde o começo, construindo com ela o kit com terra, adubo e um vaso;

2. Se o profissional optou por vasos de barros, então, iniciamos a atividade com as pinturas dos respectivos vasos.
Para as crianças ainda sem muita habilidade, o ideal seria iniciar desde a coloração dos mesmos, dando preferência para cores únicas, ou seja, o vaso com uma única cor e sem detalhes. A escolha da cor varia de acordo com a preferência do aluno. Para isto o profissional pode sugerir as cores primárias a escolha da criança.

3. Depois de coloridos, os vasos já estão prontos para plantar.

4. É importante que o professor explore bastante as características da planta escolhida, bem como de sua utilidade e as adaptações ambientais necessárias para o seu cultivo e bom desenvolvimento, ou seja, o local ideal para o seu cultivo e crescimento.

5. Explorar o conteúdo quanto aos cuidados diários, concomitante, aos ataques de pragas.

Dicas:
- Depois, se for de interesse do profissional e da criança, as etapas podem ser revividas com uso de materiais reciclados, como baldes, garrafas plásticas, entre outros. Mas, o profissional deve estar atento para utilizar formas simples e rápidas, bem como seguras, para despertar o interesse e a atenção da criança, evitando também que a atividade fique cansativa e estressante.
- O profissional só deverá intervir de forma direta se necessário for, contudo, pode utilizar a linguagem como apoio a orientação de detalhes e observações necessárias durante a execução da atividade. Exemplo: ajuda-lo a identificar falhas na pintura do vaso; elogiar constantemente cada etapa realizada, entre outros.
- Evitar plantas tóxicas;
- use pedras e gravetos como ferramentas de jardinagem também é uma ótima dica;
- Familiarizar-se com eventuais problemas de alergia e asma dos alunos. Nesse caso o profissional pode utilizar material artificial de forma lúdica;
- Selecionar com cuidado a ferramenta de manuseio, evitando assim acidentes desnecessários;
- Dar prioridade ao uso de fertilizantes naturais;
- Dê preferência para mudas e sementes de plantas com texturas variadas e/ou com cheiros agradáveis e/ou de crescimento rápido;
- Higienizar as mãos após a realização da atividade.

Sugetões de pesquisas:
http://ateliemundodalua.blogspot.com/2011/03/jardinagem-para-criancas-i.html
http://www.comofazertudo.com.br/casa-e-jardim


Espero não ter esquecido nada! E também espero que gostem!
Abraços a todos!!!
.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Muitas mudanças ocorreram nos últimos vinte anos, quando teve início a prática da Baixa Visão em nosso país. O oftalmologista brasileiro, porém, ainda não se conscientizou da responsabilidade que lhe cabe ao determinar se o paciente deve ou não receber um tratamento específico nessa área. Infelizmente, a grande maioria dos pacientes atendidos e tratados permanece sem orientação, convivendo, por muitos anos com uma condição de cegueira desnecessária." (VEITZMAN, 2000, p.3)

.
.

NÃO ESQUEÇA!....

NÃO ESQUEÇA!....

FONTES PARA PESQUISA

  • A VIDA DO BEBÊ - DR. RINALDO DE LAMARE
  • COLEÇÃO DE MANUAIS BÁSICOS CBO - CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA
  • DIDÁTICA: UMA HISTÓRIA REFLEXIVA -PROFª ANGÉLICA RUSSO
  • EDUCAÇÃO INFANTIL: Estratégias o Orientação Pedagógica para Educação de Crianças com Necessidades Educativas Visuais - MARILDA M. G. BRUNO
  • REVISTA BENJAMIN CONSTANT - INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT