ACOMPANHE ESSE BLOG DE PERTO!

21 de jul de 2010

Artigo Prof. Leandro Rhein / Estimulação Visual Precoce

.
Toda criança portadora de baixa visão ou visão subnormal sofre um prejuízo natural no desenvolvimento neuropsicomotor e se não adequadamente estimulada sofre um prejuízo ainda maior que poderão influenciar nas suas atividades intelectuais, escolares, profissionais e sociais; elas necessitaram de estimulação visual precoce para realizar sua integração.
[19/7/2010 - 14:33]

Toda criança portadora de baixa visão ou visão subnormal sofre um prejuízo natural no desenvolvimento neuropsicomotor e se não adequadamente estimulada sofre um prejuízo ainda maior que poderão influenciar nas suas atividades intelectuais, escolares, profissionais e sociais; elas necessitaram de estimulação visual precoce para realizar sua integração.
Quanto mais cedo for a detecção da deficiência melhor o prognostico deste tipo de terapêutica. A terapêutica de estimulação visual precoce visa identificar o resíduo visual da criança; aprimorar a eficiência visual através de técnicas para estimulação adequada a cada caso; realizar a orientação aos pais para serem coadjuvantes no processo.
Ademais o profissional adaptará o auxilio óptico adequado e bem como seu uso correto, e juntamente com uma equipe multidisciplinar reintegrar a criança na família, escola e sociedade. Para um melhor prognóstico da terapêutica alguns fatores são de suma importância serem avaliados:

*Idade da criança;
*Patologia detectada;
*Resquício visual;
*Avaliação neurológica, motora e psicológica;
*Prognóstico e progressão da patologia em questão;
*Nível sócio-econômico da família e adesão as propostas profissionais.

Analisados todos estes fatores a equipe que atende esta criança objetivará resgatar os potenciais perceptivos existentes no resquício visual da criança, possibilitando através disto o desenvolvimento global.
Vale a pena ressaltar a necessidade de ser realizada mais precoce possível em relação a detecção da patologia, pois o sistema visual como qualquer outro sistema necessita de um aprendizado para ser usado, e a sua qualidade deve ser estimulada e pode ser melhorada dentro do período de plasticidade visual (desenvolvimento visual), ou período critico de maturação visual que vai da 30ª-34ª semana de gestação a 7-8 anos de idade.
Fonte: Prof. Leandro Rhein

FONTE: http://www.opticanet.com.br/secao/pages/LerMateria.aspx?matId=4279
.
.

3 comentários:

  1. Maravilha de blog, parabéns. Sou terapeuta ocupacional, estou tentando aprofundar meus conhecimentos sobre estimulação visual e tenho achado bastante coisa na internet, como este blog. Porém, se você pudesse me recomendar um livro referência no assunto, ficaria muito grata. Abraço e parabéns mais uma vez!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vi no site os Livros do Prof. Leandro, e comprei o novo FANOPEIA, e fiquei surpresa...

      Excluir
  2. Olha, dos livros que conheço o ideal seria os de Natalie Barraga, a criadora do método. Eles existem em espanhol e inglês. Mas, existem aqui no Brasil livros oftalmológicos que abordam o assunto, mas, não profundamente como os da autora citada.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Muitas mudanças ocorreram nos últimos vinte anos, quando teve início a prática da Baixa Visão em nosso país. O oftalmologista brasileiro, porém, ainda não se conscientizou da responsabilidade que lhe cabe ao determinar se o paciente deve ou não receber um tratamento específico nessa área. Infelizmente, a grande maioria dos pacientes atendidos e tratados permanece sem orientação, convivendo, por muitos anos com uma condição de cegueira desnecessária." (VEITZMAN, 2000, p.3)

.
.

NÃO ESQUEÇA!....

NÃO ESQUEÇA!....

FONTES PARA PESQUISA

  • A VIDA DO BEBÊ - DR. RINALDO DE LAMARE
  • COLEÇÃO DE MANUAIS BÁSICOS CBO - CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA
  • DIDÁTICA: UMA HISTÓRIA REFLEXIVA -PROFª ANGÉLICA RUSSO
  • EDUCAÇÃO INFANTIL: Estratégias o Orientação Pedagógica para Educação de Crianças com Necessidades Educativas Visuais - MARILDA M. G. BRUNO
  • REVISTA BENJAMIN CONSTANT - INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT