ACOMPANHE ESSE BLOG DE PERTO!

16 de fev de 2009

VOCÊ SABIA?


O exame de potencial evocado apenas diz se o estimulo de luz está chegando até o cerebro, pra isso ele passa pelo olho, pela retina, pelo nervo óptico até chegar na parte de trás do cérebro. Mas a visão é muito mais complexa do que isso, pois não depende só do estimulo chegar lá, e sim, do quanto e como chega e, principalmente, da interpretação que faz daquele estímulo que está recebendo. Assim, concluimos que entre a cegueira e a visão não existe uma distancia muito grande. Afinal, o cego é aquele que realmente não percebe a luz e os outros são considerados portadores de baixa visão ou visão subnormal, mas ainda existe uma variedade muito grande nesta "categoria", variantes entre os que percebem apenas luz, outros que percebem apenas cores, formas etc.. Cada qual com uma característica particular, com dificuldades e principalmente capacidades diferentes. Desta forma, devemos sempre procurar sempre pensar e enfatizar apenas a "visão" nas capacidades e não nas dificuldades que o portador de baixa visão possui.

Um comentário:

  1. Olá, você sempre trazendo informações necessárias! Por isso, tenho um presentinho para você no meu blog. Passa lá!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Muitas mudanças ocorreram nos últimos vinte anos, quando teve início a prática da Baixa Visão em nosso país. O oftalmologista brasileiro, porém, ainda não se conscientizou da responsabilidade que lhe cabe ao determinar se o paciente deve ou não receber um tratamento específico nessa área. Infelizmente, a grande maioria dos pacientes atendidos e tratados permanece sem orientação, convivendo, por muitos anos com uma condição de cegueira desnecessária." (VEITZMAN, 2000, p.3)

.
.

NÃO ESQUEÇA!....

NÃO ESQUEÇA!....

FONTES PARA PESQUISA

  • A VIDA DO BEBÊ - DR. RINALDO DE LAMARE
  • COLEÇÃO DE MANUAIS BÁSICOS CBO - CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA
  • DIDÁTICA: UMA HISTÓRIA REFLEXIVA -PROFª ANGÉLICA RUSSO
  • EDUCAÇÃO INFANTIL: Estratégias o Orientação Pedagógica para Educação de Crianças com Necessidades Educativas Visuais - MARILDA M. G. BRUNO
  • REVISTA BENJAMIN CONSTANT - INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT