ACOMPANHE ESSE BLOG DE PERTO!

23 de dez de 2008

CAPACIDADES E FUNÇÕES PERCEPTIVO-VISUAIS QUE SE PRETENDE TRABALHAR NA ESTIMULAÇÃO VISUAL - PARTE I

 

PERCEPÇÃO VISUAL: Capacidade que se tem de interpretar o que é visto. Procedimento pelo qual as impressões recebidas pelo olho são transmitidas ao cérebro onde ocorre relacionamento com as experiências passadas.
- Requer maturação (fatores neuromotores e psicológicos);
- Requer experiência.
O desenvolvimento de uma criança surge através de suas experiências de percepção visual, dos objetos pelos quais entra em contato. Suas habilidades de visão perceptual é que permitirá que ela realize qualquer tarefa que envolva reconhecimento e reprodução de símbolos visuais (como aprender a ler, escrever, soletrar, realizar problemas de matemática).
A criança que apresentar algum déficit na percepção visual está também sujeita aos distúrbios emocionais, tornando-se confusa, enraivecida e envergonhada, o que geralmente resulta em distúrbios de comportamento e de personalidade e, às vezes, este problema poderá resultar num distúrbio emocional bastante severo que faz com que a criança atente mais para seus sentimentos internos e fantasias, que aos estímulos ao seu redor. È preciso ter muito cuidado durante este período de desenvolvimento, bem como, em alguns casos um acompanhamento profissional para a transposição desta fase.
As pesquisas realizadas a este respeito mostram que a criança com baixa indicação nos testes de percepção visual são, comumente, as mais fracas nos estudos e adaptação escolar, além da diminuição em sua capacidade de prestar atenção.
É difícil descobrir a causa para este tipo de deficiência, podendo ser de origem patológica (como a disfunção cerebral mínima) ou um simples atraso de desenvolvimento perceptual sem causas imediatas reconhecíveis.
Para Frostig, até 7½ anos, a percepção visual é a tarefa de desenvolvimento mais importante da criança. Não há apenas uma capacidade perceptual visual, mas várias, as quais se desenvolvem mais ou menos independentemente uma das outras e podem sofrer perturbações com relativa independência umas das outras e em graus variados.
EFICIÊNCIA VISUAL: Controle do mecanismo ótico
- Envolve: velocidade e capacidade de filtração.
- Depende: do uso máximo de visão residual.
Poucos diagnósticos de redução da capacidade visual descrevem qualquer coisa sobre a eficiência visual da criança, com exceção daqueles que indicam cegueira total por enucleação (retirada do olho). Isto ocorre devido às medições de acuidade não descrever as habilidades funcionais e de desenvolvimento. Por exemplo, uma criança de 5 anos com diminuição da capacidade visual e que não responde sa¬tisfatoriamente a um teste padrão de acuidade (consistindo na descrição de uma figura) ou a um teste de orientação visual (directional eye testing) pode estar inapropriadamente diagnosticada, podendo esta, estar apresentando um atraso em seu desenvolvimento e não ter ainda desenvolvido as habilidades visuais relacionadas com a tarefa apresentada no teste.
Com relação ao ponto de vista da eficiência visual a qualidade da resposta depende não só da quantidade e qualidade da absorção da imagem que é captada pelas células fotoreceptoras da retina, mas também da forma como esta alcança a área occipital do cérebro (parte responsável pela função visual) e, além do processo de organização e tratamento ao qual estará sujeita no córtex visual, dependerá também da integração da imagem com relação à informação preexistente arquivada na memória.
É bom lembrar que o material didático deve seguir orientações de um profissional especializado, pois a adaptação resulta de avaliação e prescrição do oftalmologista levando em conta a acuidade e eficiência visual do aluno.
Assim, podemos concluir que as imagens captadas por nossos olhos, não dependem única e exclusivamente do olhar, mas da interação ativa do cérebro na codificação dos múltiplos estímulos que permite atribuir um sentido à informação apreendida pela retina.
EXPERIÊNCIA VISUAL: Abrange: acuidade visual, reconhecimento e retenção da imagem, associação com experiências passadas e símbolo, formação de conceitos.
A interação de mãos e olhos começa na medida em que a criança desenvolve maior controle motor e perceptivo – os olhos se juntarão às mãos para explorar melhor o ambiente tridimensional – iniciando o extenso processo de refinamento do controle motor fino. É a visão que conduz esse processo, permitindo que a criança desenvolva níveis mais altos de percepção e reconhecimento de formas, da mesma maneira que o sistema motor a capacitou a estabelecer a experiência visual de forma e direção, unificando e globalizando o conhecimento em sua totalidade.
Para aquisição de experiências visuais são necessárias que as orientações sejam transmitidas de modo global, permitindo que a criança localize-se numa situação real de vida, podendo ser auxiliada na aquisição de novos conhecimentos, estruturando interiormente suas experiências num todo organizado. Geralmente, isso é feito com a participação ativa do profissional oralizando cada ato pensado e impensado realizado pela criança, proporcionando facilitar essa globalização, criando oportunidades de observação através de todos os sentidos remanescentes.
Cont.

3 comentários:

  1. Olá Jô,
    Adorei o seu blog!
    Acredito que vamos trocar muito!
    Visite o meu blog!
    Beijão
    Jacki

    ResponderExcluir
  2. Olá Jô,
    Adorei o seu blog!
    Tenho certez que vamos trocar bastante!!!
    Beijão
    jacki

    ResponderExcluir
  3. Querida Jô,
    Deixei um prêmio para vc no meu blog!
    Um beijão
    jacki

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Muitas mudanças ocorreram nos últimos vinte anos, quando teve início a prática da Baixa Visão em nosso país. O oftalmologista brasileiro, porém, ainda não se conscientizou da responsabilidade que lhe cabe ao determinar se o paciente deve ou não receber um tratamento específico nessa área. Infelizmente, a grande maioria dos pacientes atendidos e tratados permanece sem orientação, convivendo, por muitos anos com uma condição de cegueira desnecessária." (VEITZMAN, 2000, p.3)

.
.

NÃO ESQUEÇA!....

NÃO ESQUEÇA!....

FONTES PARA PESQUISA

  • A VIDA DO BEBÊ - DR. RINALDO DE LAMARE
  • COLEÇÃO DE MANUAIS BÁSICOS CBO - CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA
  • DIDÁTICA: UMA HISTÓRIA REFLEXIVA -PROFª ANGÉLICA RUSSO
  • EDUCAÇÃO INFANTIL: Estratégias o Orientação Pedagógica para Educação de Crianças com Necessidades Educativas Visuais - MARILDA M. G. BRUNO
  • REVISTA BENJAMIN CONSTANT - INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT