ACOMPANHE ESSE BLOG DE PERTO!

3 de set de 2008

TREINAMENTO DE BAIXA VISÃO PERCEPTUAL – COGNITIVO

 
(...) o treinamento de baixa visão perceptual – cognitivo é a abordagem correta para crianças com baixa visão, especialmente se nasceram com baixa visão. Esta criança deve reunir “peças visuais de um quebra-cabeça” para interpretação. O treinamento em baixa visão deve ajudar a criança a aprender certos conceitos básicos de formas e construir “cadeias de associações” e ser treinada a associá-las à experiência visual prévia.
Natalie Barraga e outros mostraram que:
- Todo indivíduo que mostre uma resposta à luz pode ser um candidato ao desenvolvimento visual no futuro;
- O funcionamento e a eficiência visuais (em casos de deficiência) não são automáticos e espontâneos. Envolvem um processo de aprendizagem e experiência no ambiente da vida real;
- O desenvolvimento da eficiência visual é pouco relacionado à acuidade visual obtida ou AA natureza do defeito ou doença;
- A eficiência no uso funcional da visão está intimamente relacionada ao desenvolvimento motor, mental e emocional;
- A aprendizagem por um sistema visual deficiente ocorre lentamente, mas segue o mesmo padrão seqüencial do desenvolvimento visual num sistema normal;
- A estimulação precoce e contínua, a exposição à experiência visual e o ensino intensivo são muito importantes para desenvolver a eficiência máxima;
- O treinamento para crianças que nasceram com baixa visão deve estimulá-las a armazenar as impressões visuais no cérebro para construir e associá-las quando aprendem novas coisas;
- Sem motivação, apoio e paciência não há resultados.
Muitos programas de treinamento (p. ex. VES e DAP de Barraga e Look and Think Check List de Tobin ET AL) são baseados nesta filosofia. O treinamento promove o desenvolvimento mental-manual e envolve a criança com baixa visão de forma ativa e criativa.
Mas, novamente deve ser enfatizada a importância de incluir elementos de treinamento perceptual-cognitivo para adultos com baixa visão e idosos, que já tiveram oportunidade de ver (“reorganização” das impressões visuais perceptuais)

EXTRAÍDO DO LIVRO: VISÃO SUBNORMAL: VIETZMAN, Silvia. Serviços Abrangentes de Baixa Visão. Visão Subnormal. Rio de Janeiro : Cultura Médica; São Paulo: CBO: CIBA Vision, 2000: 147-148p. – (Manuais Básicos / CBO ; 17).

Um comentário:

  1. Adorei esta postagem.
    Gosto da forma que escreves, pois utilizagem de uma linguagem de fácil compreensão e também do real efeito que isso pode fazer na vida de muitas pessoas.
    Parabéns pela iniciativa!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Muitas mudanças ocorreram nos últimos vinte anos, quando teve início a prática da Baixa Visão em nosso país. O oftalmologista brasileiro, porém, ainda não se conscientizou da responsabilidade que lhe cabe ao determinar se o paciente deve ou não receber um tratamento específico nessa área. Infelizmente, a grande maioria dos pacientes atendidos e tratados permanece sem orientação, convivendo, por muitos anos com uma condição de cegueira desnecessária." (VEITZMAN, 2000, p.3)

.
.

NÃO ESQUEÇA!....

NÃO ESQUEÇA!....

FONTES PARA PESQUISA

  • A VIDA DO BEBÊ - DR. RINALDO DE LAMARE
  • COLEÇÃO DE MANUAIS BÁSICOS CBO - CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA
  • DIDÁTICA: UMA HISTÓRIA REFLEXIVA -PROFª ANGÉLICA RUSSO
  • EDUCAÇÃO INFANTIL: Estratégias o Orientação Pedagógica para Educação de Crianças com Necessidades Educativas Visuais - MARILDA M. G. BRUNO
  • REVISTA BENJAMIN CONSTANT - INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT