ACOMPANHE ESSE BLOG DE PERTO!

4 de abr de 2010

ESTRABISMO

Em termos simples, é o desvio dos olhos da posição normal paralela. O problema pode estar presente desde o nascimento, aparecer nos primeiros anos de vida ou resultante de qualquer problema orgânico. É frequente confundir o verdadeiro Estrabismo com o chamado "falso Estrabismo", porque este último ao pouco crescimento do osso nasal ao nascimento, formando-se então uma dobra de pele no ângulo interno dos olhos chamado Epicanto, dando a impressão de um desvio ocular, conhecido como Pseudoestrabismo.



O Estrabismo verdadeiro ou visível pode observar-se para dentro (Esotropia Fig 1), para fora (Exotropia Fig 2), para cima (Hipertropia Fig 3), para baixo (Hipotropia Fig. 4), oblíquo e especiais. É claro que frequentemente existe uma mistura de diferentes tipos de desvios em um mesmo paciente.



Um paciente pode alternar o desvio dos olhos (por momentos o olho direito e, por vezes, o esquerdo), ou desviar sempre o mesmo olho.



CLASSIFICAÇÃO

De modo geral se pode classificar como:
- Paralítico e não paralítico.
- Congênitas e adquiridas.
Deve notar-se que a grande maioria dos Estrabismos não é paralíticos, ou seja, que os músculos do olho e seus nervos funcionam adequadamente, contrário a crença popular de que estrabismo é sempre causado por disfunções dos músculos e nervos.

DIAGNÓSTICO

O Ser humano, nos primeiros 3 meses de vida não tem a capacidade de fixar um objeto em uma forma contínua devido a falta de maturidade do sistema nervoso central, mas não desvia o olhar ou exista um Estrabismo nunca considerado normal. Qualquer dúvida a respeito deve ser esclarecida por uma oftalmologista especializado neste domínio, o qual pode diferenciar entre um verdadeiro Estrabismo ou a falta de fixação considerada normal para a idade.
Não existe erro maior para o futuro visual de uma criança com Estrabismo que perder tempo para o diagnóstico e tratamento adequado. Infelizmente, é comum ouvir o seguinte conselho: "Deixe a criança crescer para iniciar o tratamento". A perda de tempo pode significar que o paciente não desenvolva nunca a visão normal do olho desviado nem a visão binocular ou estereoscópica, sofrimento assim problemas na motricidade grossa e fina, dificultando a aprendizagem académica normal.

TRATAMENTO

-lentes.
SEMPRE deve ser como primeiro passo primordial a medição e prescrição de lentes de grau e baixo número de gotas de atropina para uso constante. As lentes são receitadas com três objetivos básicos:
- Ajudar o paciente a melhorar sua visão.
- Impedir o esforço que o sistema visual realiza para ver claro.
- Ajudar o oftalmologista na realização do diagnóstico exato do tipo de estrabismo.

- Oclusão com tampão.
Quando o médico considerar necessário, indicará tapar alternadamente os olhos com tampões próprios para este caso objetivando preservar ou melhorar a visão.

- Cirurgia.
O médico especialista em estrabismo determinará em cada caso, sobre a necessidade de cirurgia, podendo esta ser realizada em um ou ambos olhos, em alguns casos poderá ser necessários mais de um procedimento cirúrgico.
Independentemente da classe de estrabismo, o tipo de tratamento efetuado e do bom resultado cirúrgico obtido, cada paciente deverá ser avaliado periodicamente por um especialista dutante vários anos, pois que, enquanto o sistema visual não atinge a maturidade de um adulto, existe o perigo de perda de visão em um olho.

Recomendamos que você visite seu médico a cada 6 meses de ter realizado a cirurgia.

FONTE: http://www.susojos.net/2010/04/estrabismo.html

Um comentário:

  1. estamos agradecidos pelos esclarecimentos, pois estamos lutando com um acidente com nossa neta de 6 anos que foi vitimada por uma queda que causou um estrabismo no olho esquerdo.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Muitas mudanças ocorreram nos últimos vinte anos, quando teve início a prática da Baixa Visão em nosso país. O oftalmologista brasileiro, porém, ainda não se conscientizou da responsabilidade que lhe cabe ao determinar se o paciente deve ou não receber um tratamento específico nessa área. Infelizmente, a grande maioria dos pacientes atendidos e tratados permanece sem orientação, convivendo, por muitos anos com uma condição de cegueira desnecessária." (VEITZMAN, 2000, p.3)

.
.

NÃO ESQUEÇA!....

NÃO ESQUEÇA!....

FONTES PARA PESQUISA

  • A VIDA DO BEBÊ - DR. RINALDO DE LAMARE
  • COLEÇÃO DE MANUAIS BÁSICOS CBO - CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA
  • DIDÁTICA: UMA HISTÓRIA REFLEXIVA -PROFª ANGÉLICA RUSSO
  • EDUCAÇÃO INFANTIL: Estratégias o Orientação Pedagógica para Educação de Crianças com Necessidades Educativas Visuais - MARILDA M. G. BRUNO
  • REVISTA BENJAMIN CONSTANT - INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT